“Misturar a questão dos alimentos com a questão da floresta é oportunismo”, avalia professor

“Misturar a questão dos alimentos com a questão da floresta é oportunismo”, avalia professor

De acordo com Fava Neves, reação dos países europeus ao avanço das queimadas na Bacia Amazônica foi exagerada

A reação dos países europeus ao avanço das queimadas na Bacia Amazônica foi exagerada, na avaliação de Marcos Fava Neves, especialista em administração e agronegócio, professor da Fundação Getúlio Vargas e da Universidade de São Paulo. Segundo ele, embora as queimadas sejam um problema que precisa ser enfrentado, o mundo reagiu de uma maneira maior do que o necessário.

“Houve uma overreaction, motivada por um conjunto grande de fake news”, avalia Fava Neves. Ele aponta que a reação do governo brasileiro contra o aumento do número de queimadas em agosto foi tardia, mas possibilitou que a questão fosse contornada a tempo.  

Foto: Ricardo Moraes / Reuters

Sobre possíveis impactos desse momento de turbulência entre o governo brasileiro e os países da União Europeia – principalmente, com a França –, Fava Neves acredita que não haverá reflexos no acordo comercial entre aquele bloco e o Mercosul.  “O acordo é maior que tudo isso”, comenta.

“Misturar a questão dos alimentos com a questão da floresta é oportunismo. E tem gente interessada nisso”, ressalta o professor, que é especialista em planejamento estratégico no agronegócio. 

Leia mais sobre esse assunto em https://www.aviculturaindustrial.com.br/imprensa/misturar-a-questao-dos-alimentos-com-a-questao-da-floresta-e-oportunismo-avalia/20190830-100957-g226
© 2019. Todos direitos reservados a Gessulli Agribusiness. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

Notícias

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

_

Receba nossas atualizações




%d blogueiros gostam disto: