Análise mensal | Agronegócio MFN | Fevereiro 2020

Esta imagem tem um texto alternativo em branco, o nome da imagem é Selinho-Boletim2-300x129.png

O Agro em Fevereiro: Ainda os impactos do Coronavírus

(Boletim Agro30: resumo do agro de fevereiro e os cinco pontos selecionados para março)

Prof. Dr. Marcos Fava Neves

Nossa análise deste mês fica mais focada no assunto do momento, a crise do Coronavírus, fato dominante na economia e no agro. A OCDE tem visão bem pessimista para a crise do Coronavírus. Acredita que o crescimento mundial deve cair para 2,4%, o menor desde 2009. Em 2021, voltaria a crescer 3,3%, desde que a epidemia seja controlada. Caso o vírus se espalhe mais rapidamente e aumente seus danos, o número pode recuar para 1,5%. A queda é puxada principalmente pela China, que veria seu crescimento em apenas 4,9%. Voltaria a crescer 6,4% em 2021. Para o Brasil a OCDE estima o crescimento em 1,7%.

O Coronavírus impactou negativamente nos preços internacionais de algumas commodities. De acordo com o Valor Data, em fevereiro, a soja caiu 3,6%, o milho 2,5% e o algodão 4,5%.

As limitações impostas à circulação de mercadorias na China devido ao Coronavírus prejudicaram as produções locais de frangos e de suínos. Ainda não se tem mais informações sobre a magnitude do problema.

Pesquisa feita em mil lares pela multinacional Kantar, na China, mostra os impactos no comportamento com a crise do Coronavírus. Foram submetidas 24 categorias de produtos e serviços e os respondentes tinham de dizer se aumentaram, reduziram ou mantiveram os gastos e o que pretendem fazer quando voltarem à rotina. Como era de se esperar, o setor de serviços, principalmente entretenimento e turismo, sofreu queda de mais de 75%, bem como cosméticos e vestuário (ao redor de 60%). Os gastos com alimentos e bebidas cresceram em 40%.  As plataformas de comércio eletrônico foram as mais usadas neste período para as entregas. Outro dado relevante ao agro é que, em 28% dos lares, tempo adicional foi usado para cozinhar mais.

Oitenta e quatro por cento dos lares compraram produtos online de forma inédita. Ao retomarem à vida normal, todos os setores devem ter crescimento, praticamente para os níveis anteriores à crise. Em 65% dos lares, os restaurantes serão o primeiro alvo pós “liberdade”.

Em fevereiro, segundo pesquisa da Caixin/Markit o índice de atividade industrial na China caiu 25% principalmente com as restrições de viagens e de produção, devido à queda de encomendas e fechamento de fábricas.

O Governo Argentino irá aumentar as tarifas de exportação sobre a soja de 30 para 33%. A Argentina tem 6% das exportações mundiais. Volta-se à uma medida que se mostrou inadequada no passado.

No Brasil o mais recente Boletim Focus traz o IPCA em 3,19% neste final de ano e 3,75% no final de 2021. O PIB fica em 2,17% (2020) e 2,5% (2021), o câmbio em R$/US$ 4,20 (2020) e R$/US$ 4,15 (2021) e a taxa Selic fecha 2020 em 4,25% e 2021 com 5,75%.

De acordo com o boletim de fevereiro da CONAB, a produção esperada de grãos para o período 2019/20 será de 251,1 milhões de toneladas, incremento de 3,8% em relação à anterior, totalizando 9,1 milhões de toneladas a mais. Para a área cultivada, a estimativa é de 64,8 milhões de hectares, 2,5% superior ao ciclo passado. Área com algodão deve crescer 5,3%, e com soja 2,6%. O milho primeira safra deve aumentar sua área em 3,4% (4,25 milhões de hectares) devido as boas cotações, produzindo 26,1 milhões de toneladas, enquanto que, na segunda safra, são esperados 73,2 milhões de toneladas e na terceira safra 1,16 milhões de toneladas, totalizando 100,5 milhões de toneladas, 0,4% superior à safra 2018/19.

As exportações do agro brasileiro somaram US$ 5,83 bilhões em janeiro de 2020, caindo 9,4% com relação ao período anterior (US$ 6,43 bilhões), segundo dados do MAPA.  As vendas de carnes para o exterior se mantiveram em níveis elevados, atingindo US$ 1,35 bilhão, crescimento de 30,9%; carne bovina vendeu US$ 631,5 milhões (+38,1%); carne de frango, US$ 522,0 milhões (+17,0%); e carne suína US$ 163,30 milhões (+79,9%).  Produtos florestais tiveram redução de 33,8% chegando a US$ 947,38 milhões; o complexo soja caiu 30,9% com valor de US$ 878,46 milhões; o complexo sucroalcooleiro cresceu em 44,1% atingindo US$ 514,49 milhões. Vale destacar as vendas de algodão que cresceram 144,2%, chegando à cifra de US$ 484,80 milhões. As importações do agro totalizaram US$ 1,24 bilhões, o que equivale a uma redução de 1,6%, deixando o Brasil com saldo positivo de US$ 4,61 bilhões na balança. Em janeiro, a China comprou US$ 1,510, praticamente 26% do total exportado pelo Brasil.

É importante monitorar de perto as PECs que caminham no Senado e na Câmara de se tributar com ICMS as exportações de produtos primários e semielaborados. As perdas com estas medidas seriam grandes no médio e longo prazo, diminuindo as exportações do Brasil. Fora as inseguranças jurídicas e consequentemente de investimentos que as mesmas geram.

Preços do frete caíram de R$ 250 a R$ 300 por tonelada de grãos para cerca de R$ 200 com a pavimentação da BR 163.  Segundo a ANT, em 2019 o fluxo médio foi de 2.500 caminhões por dia.

Os cinco fatos do agro para acompanhar agora diariamente em março são:

  1. Os impactos do Coronavírus na economia mundial, na economia brasileira e nas exportações do agronegócio e os preços das commodities. Os impactos no consumo dos chineses principalmente, que este fato ocasionará ao substituir o consumo destas carnes exóticas pelas tradicionais que o Brasil exporta, e quais os efeitos de interrupção produtiva nas cadeias de frango e suínos da China.
  2. O comportamento do clima na segunda safra de milho. Acompanhar também o clima na Argentina.
  3. China e Ásia: seguir as notícias dos impactos da peste suína africana na produção da Ásia nos preços e quantidades de carnes importadas do Brasil. Assunto que ficou meio esquecido com a crise do Coronavírus, mas segue.
  4. Anúncios de avanços no acordo comercial China e EUA e pressão nos preços dos nossos produtos.
  5. O andamento da agenda de reformas no Brasil, com a retomada o crescimento e seus impactos ao agro e ao câmbio e as crises criadas pelas comunicações desnecessárias. E cuidados com tributos adicionais.

Bom mês a todos!  

Acompanhe no canal do Youtube (com meu nome) e no MarketClub da Credicitrus os vídeos de agro que coloco semanalmente e no LinkedIn as notícias diárias.

Marcos Fava Neves é Professor Titular (em tempo parcial) das Faculdades de Administração da USP em Ribeirão Preto e da EAESP/FGV em São Paulo, especialista em planejamento estratégico do agronegócio. Confira textos, vídeos e outros materiais no site doutoragro.com

Análises e conjunturas

agronegóciocoronavirusEUA-chinaOCDE

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

_

Receba nossas atualizações




%d blogueiros gostam disto: